fbpx

O caminho para ser CEO pode ser mais rápido do que você pensa

Redação DuMoney 13 de agosto de 2018 atualizado às 16:15

Segundo pesquisa, os chamados “velocistas” não tiveram uma carreira linear e lançaram mão de movimentos ousados, atravessando o caminho para ser CEO muito mais rápido

executivo olha para o horizonte em prédio de janela grande

Pesquisa reuniu conjunto de dados com mais de 17 mil avaliações de executivos / Schutterstock

 

Enquanto as carreiras de algumas pessoas decolam, as de outras andam mais devagar — ou ficam estagnadas. O senso comum diz que o primeiro caso se refere àqueles que frequentam os melhores programas de MBA; que conseguem, logo que se formam, um cargo no alto escalão em empresas de prestígio, e que, então, sobem a escada direto até o topo. Mas uma pesquisa mostra uma realidade completamente diferente.

De acordo com o estudo americano Projeto Genoma do CEO, os chamados “Cegos velocistas” — aqueles que alcançaram o cargo de CEO mais rápido do que a média de 24 anos a partir do primeiro emprego – não tiveram uma carreira linear e lançaram mão de movimentos ousados, que os pesquisadores chamam de “catapultas”.

TRÊS TIPOS DE ASCENÇÕES MAIS COMUNS

A pesquisa revela que há três tipos de catapultas de carreira mais comuns: “andar para trás” em algum momento; dizer sim às oportunidades mesmo quando elas parecem impossíveis de serem realizadas; e assumir o comando de equipes desestruturadas ou mesmo de empresas à beira de falência.

LEIA MAIS: Por que a Apple pode parar de crescer ao atingir US$ 1 trilhão em valor de mercado


O projeto reuniu, ao longo de 10 anos, um conjunto de dados com mais de 17 mil avaliações de executivos em nível de diretoria. Em seguida, 2.600 deles foram estudados em profundidade.

Segundo o estudo, mais de 60% dos velocistas fazem parte do grupo que “andaram para trás”, ou seja, desempenharam uma função menor em algum momento de sua carreira. Eles podem ter mudado para uma empresa menor para assumir um conjunto maior de responsabilidades ou começado seu próprio negócio.

Em todos os casos, eles aproveitaram a oportunidade para construir algo do zero e causar um impacto fora do normal, revelam Nicole Wong, Kim Rosenkoetter Powell e Elena Lytkina Botelho, sócios da consultoria ghSMART e líderes do Projeto Genoma do CEO.

”CRIE O HÁBITO DE DIZER SIM A OPORTUNIDADES MAIORES”

Além disso, mais de um terço dos velocistas foram catapultados para o topo dando ‘o grande salto’ frequentemente na primeira década da carreira.

“Esses executivos mandaram a cautela às favas e disseram sim às oportunidades, mesmo quando o cargo ia muito além do que eles haviam feito anteriormente e não se sentiam totalmente preparados para os desafios futuros”, dizem os líderes do projeto em artigo publicado na Harvard Business Review. “O que ouvimos desses velocistas é uma atitude do tipo ‘você faz sua própria sorte’. Procure projetos multifuncionais que abordem vários aspectos do negócio. Envolva-se em uma integração de fusão. Peça ao seu chefe responsabilidades adicionais. Enfrente problemas difíceis e complexos. Acima de tudo, crie o hábito de dizer sim a oportunidades maiores — estendo pronto ou não”, revelam os pesquisadores.

Pode parecer contra intuitivo e um pouco assustador, mas uma maneira de provar que se tem espírito de CEO é herdar uma grande bagunça, dizem os pesquisadores. Pode ser uma unidade de negócios com baixo desempenho, um produto com falhas ou uma falência — qualquer grande problema para os negócios que precisa ser corrigido rapidamente. Mais de 30% dos velocistas lideraram equipes em uma grande confusão.

“Situações confusas clamam por liderança forte. Quando se deparam com uma crise, os líderes emergentes têm a oportunidade de mostrar sua capacidade de avaliar a situação com calma, tomar decisões sob pressão, assumir riscos calculados, reunir os demais ao seu redor e perseverar diante da adversidade. Em outras palavras, é uma ótima preparação para o cargo de CEO”, acrescentam os pesquisadores no artigo da HBR.

O DESAFIO PODE SER MAIOR DO QUE VOCÊ PENSA

Os líderes do estudo dizem que, por meio dessas catapultas de carreira, os executivos construíram os comportamentos específicos que diferenciam os CEOs bem-sucedidos — incluindo determinação, confiabilidade, adaptabilidade e a capacidade de engajar-se para causar impacto. As catapultas são tão poderosas que mesmo pessoas que nunca aspiraram se tornar um CEO acabaram chegando a essa posição seguindo uma ou mais dessas estratégias.

A conclusão do estudo é: acelerar a carreira por meio dessas catapultas não exige um MBA de elite ou uma combinação seleta de traços inatos, mas exige disposição para fazer movimentos laterais, não convencionais e até mesmo arriscados de carreira. Não é para os fracos. Mas se você quiser cruzar o caminho para ser CEO, é melhor se acostumar com isso.

 

Em Liderança

Recomendadas para você