fbpx

Qual investimento foi mais lucrativo nos últimos 50 anos

Redação DuMoney 19 de setembro de 2018 atualizado às 11:42

Bolsa de Valores foi o investimento mais lucrativo nos últimos 50 anos. Quem comprou uma ação em 1968, teve o valor do papel multiplicado por 30

 

Bolsa está prestes a bater um recorde que persiste há 23 anos / Schutterstock

 

Quem é dono de uma ação desde 1968, ano de fundação da Bolsa de Valores em São Paulo, tem um bom motivo para comemorar: nas últimas cinco décadas, os recursos investidos foram multiplicados por 30. E olha que não é difícil achar alguém que tenha um tesouro como esse guardado. Quem adquiriu papéis de empresas como Lojas Americanas, Vale, e Alpargatas – três que estão desde o primeiro pregão – faturou alto.

O cálculo para chegar ao resultado é com base no índice Ibovespa, considerando dados ajustados pelo IGP-DI (indicador que tem o mesmo tempo de vida). Sendo assim, fica difícil não dizer que outro investimento, no período, valeu mais a penas do que as ações.

E por pouco essa valorização não foi maior ainda. O ano de 2018 era visto como o período em que a economia brasileira iria melhorar. O que certamente traria a reboque a valorização das ações na Bolsa de Valores. No entanto, as previsões otimistas esqueceram de colocar na balança a piora no cenário político, as ações (e os tweets) de Donald Trump e a greve dos caminhoneiros.

RECORDE DE 23 ANOS PODE SER BATIDO

Mas, mesmo em um ano de contratempos econômicos, a Bolsa está prestes a bater um recorde que persiste há 23 anos: o “tricampeonato de valorização”. A explicação é que desde o triênio nos anos 1980 (83,84 e 85), não há valorização dos papéis das empresas listadas em três anos consecutivos.

Agora, a espera é pelo resultado de 2018, pois em 2016 (+38%) e 2017 (+26%) os números fecharam no azul. Para alcançar a valorização tripla, até dezembro a bolsa precisa fechar acima dos 76 mil pontos. Hoje, está exatamente neste patamar.

ASSISTA: Bruno Coutinho: “A maneira de você aprender é se expor no mercado” 

PICO EM 2008

O pico de alta do Ibovespa aconteceu em 2008, no governo Lula, ano em que o Brasil recebeu o grau de investimento das agências internacionais de rating. Lá, bateu 128.494 pontos. Na última semana, fechou a 76.777 pontos. Para voltar ao patamar histórico, teria que subir 67%.

“A bolsa é uma ótima oportunidade, mas o brasileiro ainda não enxerga isso. Gosto sempre de lembrar que a pessoa não precisa investir todo o seu dinheiro na Bolsa. Uma das vantagens do mercado de ações é que o dinheiro rende e acaba trabalhando a favor do investidor”, diz a analista financeira, Heloisa Cruz.

Conforme afirma a especialista, ainda são poucos os brasileiros que fazem investimento no mercado de ações. Se você pretende investir em ações, preparamos algumas dicas para iniciar ou aperfeiçoar a sua estratégia de investimento. Veja abaixo.

 

1- ESCOLHA SEU INVESTIMENTO

Antes de mais nada, deve escolher um investimento com base nos seus objetivos. Questões como: o quanto você pode investir; o tempo que pode deixar o dinheiro aplicado; e os riscos que está disposto a correr. Mas ir de fundo em fundo pesquisando pode ser cansativo e despender muito tempo.

Uma das alternativas para ajudar a escolher boas opções de investimento é o aplicativo Yubb. O app funciona como um buscador de investimentos que leva em conta todos os aspectos mencionados acima. Pode ser usado na web ou através do aplicativo disponível para IOS e Android.

 

2- ACOMPANHAR DIARIAMENTE

Durante o dia, as ações são negociadas a todo instante. Por isso, é fundamental acompanhar a empresa em que investiu ou deseja investir. O site Investing é uma das opções de portais que atualizam o minuto a minuto do mercado financeiro das empresas.

 

3- FAZER CURSOS

Tentar entender no que está investindo. Estude as empresas nas quais está aplicando seu dinheiro, qual a perspectiva de crescimento, qual a participação nos lucros, quais os movimentos políticos que podem influenciar diretamente a empresa da qual você é acionista.

Não adianta investir e fechar os olhos. Você precisa saber o que está acontecendo. Com a Internet isso ficou muito mais fácil, inúmeros materiais estão disponíveis online, então aproveite. Pesquise sobre o assunto, leia livros, aprenda com profissionais do mercado ou faça cursos.

Um dos profissionais reconhecidos no mercado é o consultor Luiz Guilherme Dias, professor da FGV, que ministra o curso Investidor em Ação. As aulas são ideais para quem está se iniciando na Bolsa de Valores.

 

4 – CALCULADORA FINANCEIRA

À medida que você aumentar seus conhecimentos na área, todo investidor que se preze faz contas que vão muito além das calculadoras simples. Ter uma calculadora específica à mão para medir juros, rentabilidades e prazos de retorno de um investimento é essencial.

Dentre todas as opções disponibilizadas no mercado, certamente a mais popular é a clássica HP. Hoje, existe até a versão digital –  o aplicativo da HP12C. A vantagem é que, enquanto a calculadora física custa algumas centenas de reais, o app tem um valor muito mais em conta – aproximadamente R$ 25. Com ele, você poderá levar a HP dentro do smartphone e ainda ter mais liberdade de acesso.

 

Em Investimentos

Recomendadas para você