fbpx

A decisão de Will Smith ajudar negros a investirem em tecnologia

Redação DuMoney 3 de setembro de 2018 atualizado às 11:22

Apenas 3% das pessoas que aplicam em fundos de investimento são negras. Ator de Hollywood, ao lado do jogador de basquete Kevin Durant e do empresário Richelieu Denni, deseja mudar esse panorama. Veja como em DuMoney

Smith pretende ajudar a aumentar a representatividade negra no mundo “tec” / Shutterstock

 

Quanto o assunto é investimento em companhias que disputam a vanguarda tecnológica, os negros são minoria. Essa conclusão é de uma análise do fundo Equal Ventures, que afirma que apenas 3% das pessoas que aplicam em fundos de investimento são negras – enquanto entre os brancos esse percentual é de 58%.

Para tentar alterar esse quadro, que reflete a baixa representatividade negra em vários setores da sociedade, entre eles as startups de tecnologia, o ator hollywoodiano Will Smith, ao lado do jogador de basquete da NBA Kevin Durant e do empresário Richelieu Denni, anunciou a criação do Cultura, um fundo de US$ 15 milhões para incentivar o envolvimento de negros na tecnologia.

O valor pode até ser considerado pouco em termos de investimentos na área, mas a iniciativa contará com um baita reforço. É que o trio Smith-Durant-Denni firmou acordo com a companhia americana de gestão de investimento Andreessen Horowitz e também poderá receber contribuições da empresa que dispõe de US$ 1,5 bilhão.

Conforme foi acordado, os recursos provenientes de taxas e juros serão doados pela Horowitz para organizações sem fins lucrativos que estejam focadas em impulsionar o envolvimento de negros na tecnologia. E olha como será importante a parceria: até o fechamento do acordo com o trio, a Horowitz tinha 29 parceiros de investimentos – nenhum deles formados por pessoas negras.

LEIA MAIS: 1ª fintech na Bolsa. O que levou a Toro Investimentos ao mercado de ações

 

Mesmo com a desigualdade de oportunidades, há exemplos de negros que decidiram empreender e alcançaram o sucesso. O DuMoney separou três exemplos que transformaram o mundo dos negócios nos Estados Unidos. Veja abaixo:

 

Christopher Gray – Fundador da Scholly

Conhece o programa de investidores da TV fechada “Shark Tank”? Pois é, foi na versão americana da série que começou a história de Christopher Gray. Ele apresentou a sua ideia de aplicativo que pretendia ajudar estudantes a encontrar bolsas de estudo para graduação e mestrado.

O pitch de 5 minutos no programa foi suficiente para que os investidores Daymond John and Lori Greiner apostassem na ideia e materializam-se o Scholly, nome do aplicativo que logo se tornou muito popular. Em quase três anos, o app ajudou centenas de milhares de estudantes a conseguir mais de US$ 15 milhões em bolsas de estudo – muitas delas para famílias de baixa renda e negras.

Christopher Gray: sucesso em program de TV / Reprodução

 

 

Asmau Ahmed – Plum Perfect

A oferta reduzida de produtos para pessoas de pele negra foi o gatilho para a criação do aplicativo Plum Perfect. A ideia foi da engenheira americana com ascendência nigeriana Asmau Ahmed, que decidiu criar um app capaz de encontrar as cores ideias de maquiagem para qualquer tom de pele, além de oferecer tutoriais completos.

Busca pela oferta de maquiagem para todas as peles / Reprodução

 

LEIA MAIS: Qual empresa paga mais dividendos aos seus acionistas?

Porter Braswell e Ryan Williams – Co-fundadores da Jopwell

Nosso terceiro destaque vai para dupla Porter Braswell e Ryan Williams que decidiram largar suas carreiras em Wall Street para lançar a plataforma Jopwell, que oferece parceria com algumas das empresas americanas mais bem sucedidas. A ideia, claro, é ajudar negros a encontrarem estágios e empregos competitivos.

Foco na oferta de vagas para o público negro / Reprodução

 

Em Investimentos

Recomendadas para você