fbpx

As 5 etapas para escolher investimento, segundo Warren Buffett

Redação DuMoney 1 de agosto de 2018 atualizado às 16:00

Títulos com valores subestimados são um dos pontos-chave que o magnata considera. Mas, afinal, como Warren Buffett escolhe as empresas em que investe?

 

Warren Buffett é considerado a terceira pessoa mais rica do mundo / Schutterstock

 

Warren Buffett é considerado um dos investidores mais bem-sucedido de todos os tempos. Não é à toa que acumula uma fortuna de mais de US$ 80 bilhões, segundo a Forbes. A quantia exorbitante faz com que seja ele considerado a terceira pessoa mais rica do mundo – atrás de Bill Gates, fundador da Microsoft, e Jeff Bezos, da Amazon.

Buffett é presidente e CEO da Berkshire Hathaway, conglomerado multinacional que investe em empresas dos mais diversos setores – entre elas, Coca-Cola, Kraft Heinz e American Express. A companhia tem uma estratégia bem conhecida, que privilegia um poder de ganho consistente, bom retorno sobre o patrimônio, boa gestão e precificação razoável. Mas, afinal, como Warren Buffett investe?

LEIA MAIS: Por que as pessoas acreditam que vão ganhar na Mega-Sena

Seguindo um paradigma chamado “investimento em valor” (value investing), que é baseado nas ideias do economista americano Benjamin Graham, Buffett busca títulos que estejam sendo subestimados. Os investidores que utilizam essa estratégia levam em conta mudanças de preço favoráveis, que tenham a ver com análises específicas, que façam com que o preço de uma organização com alto potencial seja deflacionado. Por exemplo, notícias boas e ruins do mercado.

Além disso, o magnata também é reconhecido com um investidor buy-and-hold (“comprar e manter”). Em vez de procurar vender as ações adquiridas no curto prazo para obter ganhos, ele escolhe as que oferecem boas perspectivas de crescimento a longo prazo.

O site americano Investopedia listou alguns pontos-chave que Buffett considera para avaliar um possível investimento. São eles:

1- Desempenho da empresa
As instituições que têm proporcionado um retorno positivo e aceitável sobre o capital próprio por muitos anos são mais atrativas, para ele, ​​do que as empresas que tiveram apenas um curto período de retornos consideráveis.

2- Tamanho da dívida da empresa
Ter uma dívida grande em proporção ao capital levanta uma bandeira vermelha para o investidor. Isso porque significa que mais do lucro vai para o pagamento da dívida, em vez de ir para o desenvolvimento e evolução da companhia.

3- Margens de lucro
Um dos pontos avaliados por Warren é a margem de lucro. Mais especificamente, ele procura por companhias que tenham boa margem de lucro e que, preferencialmente, ela esteja crescendo. Para não se enganar com tendências de curto prazo, ele analisa a margem de lucro ao longo de vários anos.

4- Singularidade dos produtos vendidos pela empresa
Para o magnata, as companhias que fornecem produtos ou serviços que podem ser facilmente substituídos são investimentos mais arriscados do que as que oferecem soluções singulares. “Por exemplo, o produto de uma empresa de petróleo. O petróleo não é tão único porque os consumidores podem comprá-lo de qualquer outro concorrente. No entanto, se a empresa tiver acesso a um grau de óleo mais desejável, esse pode ser um investimento que vale a pena”, detalha a Investopedia.

5- Com quanto de desconto as ações estão sendo negociadas?
Ponto crucial do investimento em valor: encontrar empresas que tenham boa fundamentação, mas estejam negociando abaixo de onde poderiam, por conta de alguma circunstância. Quanto maior o desconto, maior a margem de lucratividade.

Em Investimentos

Recomendadas para você