fbpx

Bitcoin: 150% de Valorização no Primeiro Semestre de 2019

Redação DuMoney 2 de julho de 2019 atualizado às 10:47

 

Mercado reagiu às quedas consecutivas e bitcoins registraram alta de 150% no primeiro semestre do ano. (Pixabay)

O primeiro semestre do ano marcou a recuperação da Bitcoin no mercado, que ultrapassou a barreira dos 11 mil dólares. O interesse de investidores de todo o mundo ajudou a alavancar a alta e estabilizar a credibilidade do novo meio.

Em entrevista ao Portal do Bitcoin, Marcel Pechman, analista e cofundador do Radar BTC, apontou que o movimento de recuperação foi motivado pelo projeto Quorum da Microsoft em parceria com o JP Morgan, e a confirmação da mesa de negociações de Bitcoin para clientes da gigante Fidelity.

“O fato é que diversos projetos de cripto estão ganhando corpo contando com investimentos de empresas tradicionais da área de finanças, tecnologia e varejo. Tornou-se indiscutível o sucesso das criptomoedas”.

Rodrigo Lima, do site Investing.com, opinou ontem num artigo com análise sobre o primeiro semestre: “o Bitcoin não apenas domina o mercado de criptomoedas: ele praticamente é todo o mercado de criptomoedas”.

Transição

Consultado sobre o movimento, Richard Rytenband diagnosticou uma “transição de um grande mercado de baixa para um grande mercado de alta”. Ele é o fundador da Convex Research

Ele e Pechman concordam que é difícil apontar uma única causa para recuperação. Para Pechman o que há é “um conjunto de coisas que vem acontecendo há 6 meses” e devido a isso, a alta tem sido continua e robusta. “Se fosse uma única notícia, subia 40% e depois teria um ajuste, mas não é o caso”.

Notícia

Numa análise do desempenho do semestre o mesmo Portal do Bitcoin lembra que “a expectativa com a sequência da alta de preços e os chamados rompimentos tem criado o fenômeno conhecido como FOMO (sigla em inglês para a expressão Medo de perder uma oportunidade)”.

“Após 3 meses de alta acham que vai subir mais e após esse mesmo período de queda, acham que vai cair mais. É sempre assim e com qualquer ativo”, destacou Pechman.

Libra

Rytenband descartou que haja conexão entre a alta dos bitcoins com a notícia da criação da Libra, a criptomoeda do Facebook e de outros gigantes da economia. “Não há qualquer concorrência com o Bitcoin, por diversos motivos, começando pela própria estrutura que não é descentralizada”.

Ele acredita que a chegada da Libra vai reacender “o debate em relação a emissão de moedas privadas e o monopólio monetário estatal”, o que, acredita, será algo positivo para o Bitcoin à médio prazo.

Leia mais: Semestre de Alta e Recordes na Bolsa Brasileira

 

 

Em Investimentos

Recomendadas para você