fbpx

Mulheres tem carreira mais afetada pelos filhos do que os homens

Redação DuMoney 8 de novembro de 2018 atualizado às 19:55

Mulheres são as novas chefes de família, mas o cuidado com os filhos ainda recai inteiramente nos ombros delas. Veja como isso afeta a carreira e a vida profissional. 

executiva em casa trabalhando com o filho no colo

Cerca de 28% das trabalhadoras brasileiras abandonaram as carreiras por conta dos filhos / Shutterstock

O número de mulheres chefes de família dobrou nos últimos 15 anos. O contingente de lares em que elas tomam as principais decisões saltou de 14,1 milhões, em 2001, para 28,9 milhões, em 2015 — avanço de 105%. De acordo com estudo coordenado pela Escola Nacional de Seguros.

O fato mais curioso é que houve um aumento expressivo no número de famílias que tem um pai e uma mãe, em que a mãe é a chefe da família. Porque antes a quantidade de mulheres no comando dos lares se dava pela quantidade de famílias monoparentais, ou seja,  compostas penas pela mãe e os filhos.

Esses números traduzem uma evolução do posicionamento feminino no mercado de trabalho. As mulheres têm mais acesso à educação e estão competindo por empregos melhores.

Mas tendo em vista esse cenário, ainda há algo que trava – ou pelo menos dificulta – a carreira das mulheres. Embora muitos casais relatem o compartilhamento de deveres parentais, é muito mais comum as mulheres “manobrarem” suas carreiras em torno dos filhos.

Isso é de acordo com a pesquisa Merrill Lynch e Age Wave, que buscou opiniões de mais de 2.500 mães e pais nos EUA.

As mães, com mais frequência, fazem mudanças de carreira que envolvem cuidar de crianças: tirar licença, procurar um emprego mais flexível ou trabalhar em casa, de acordo com o estudo. Os pais, por outro lado, são mais propensos a mudar para um emprego que tenha um salário maior ou mais benefícios, trabalhar mais horas, ou assumir um segundo emprego.

Quando se trata de licença temporária, as mulheres levam 10 vezes mais tempo longe do trabalho que os homens, observa o estudo.

Combinar a jornada de trabalho, longos deslocamentos diários, a organização da casa e a criação dos filhos é complicado. Talvez por conta dessa dificuldade, a taxa de crianças nascidas no Brasil e no mundo tem diminuído.

Por não conseguir conciliar as tarefas, o numero de mulheres que acabam abrindo mão do emprego para cuidar das crianças tem aumentado. Não é nenhuma surpresa, mas uma pesquisa recente, realizada pela agência online de anúncio de vagas Catho, constatou que, entre 13.161 profissionais brasileiros, 28% das mulheres e 5% dos homens abandonaram a vida profissional depois do nascimento dos filhos.

Como analisado no mesmo estudo da Catho, 21% das mulheres que largaram a vida profissional levaram mais de três anos para voltar ao mercado de trabalho. Já, como os homens, a porcentagem se limitou a 2%.

“SEMPRE VAI TER ALGUÉM PRA TOMAR O SEU LUGAR”

Para a analista financeira Heloísa Cruz, quando se é mãe, trabalhar de 10 a 11 horas por dia significa ficar de 10 a 11 horas longe do seu filho. Mãe de três filhos, de 1, 3 e 5 anos, Heloísa escolheu abrir mão de seu emprego fixo como analista e ficou em casa para cuidar das crianças e sua principal fonte de renda é sua carteira de investimentos.

Para ela, o que fazer depois da gravidez varia de mulher para mulher, tem aquelas que seguem com a carreira e contam com a ajuda de babás, escolinhas ou do pai das crianças. E existem aquelas que decidem procurar um trabalho com horários mais flexíveis ou que possa ser feito de casa. Existem ainda as que abrem mão da carreira e se dedicam apenas aos filhos.

“Ser mãe no mercado de trabalho é difícil, porque sempre vai ter alguém para ocupar seu lugar.  Vejo relatos de amigas minhas. Várias perderam o emprego quando voltam da licença maternidade. No fim das contas, abri minha empresa de cursos e comecei a dar aulas para investidores. Tenho que preparar aulas, apostilas… mas como meu horário é flexível, eu administro bem o tempo. Nunca imaginei que isso aconteceria, mas hoje sou dona do meu negócio, ganho meu dinheiro e tenho tempo de ficar em casa com meus filhos”.

Kahnemaneando: o que você vê nem sempre é a verdade

Em Empreendedorismo

Recomendadas para você