fbpx

Mercado Financeiro: A Lógica do Cisne Negro e os Imprevistos

Nassim Taleb explora em seu livro, A Lógica do Cisne Negro: O Impacto do Altamente Improvável, a frequência de imprevistos e eventos raros no mercado financeiro. Para especialistas, é importante considerar acasos e ter uma carteira de investimentos diversificada

Redação DuMoney 11 de março de 2019 atualizado às 11:09

 

cisne preto de louça

Investidores devem sempre ter em mente que imprevistos podem acontecer / Shutterstock

 

Um evento altamente inesperado, que causa um grande impacto, para o qual muita gente vai procurar uma explicação. No mercado financeiro todos anseiam que algo imprevisto possa parecer menos aleatório e mais previsível do que era. Isso é o que Nassim Taleb chama de “cisne negro”.

Mas como se precaver de cisnes negros no mercado financeiro? Ao contrário da teoria clássica sobre a análise de risco de aplicações em bolsa, que praticamente elimina ou minimiza os acidentes de percurso (como as súbitas quedas ou altas do mercado), Taleb afirma que tais fatos, longe de ser exceção, são a regra. 

Autor, ensaísta, estatístico, analista de riscos e matemático de formação, Nassim Nicholas Taleb , 58 anos,  conhecido por ser um megainvestidor do mercado financeiro. É também professor do Instituto Politécnico da Universidade de Nova York e presidente da empresa de investimentos Empirica.

Taleb é autor de uma coletânea chamada Incertoa série de livros trata sempre sobre a incerteza. Até agora conta com cinco volumes:  Arriscando a Própria Pele, Antifrágil, A lógica do Cisne Negro), Iludidos pelo Acaso, A Cama de Procusto.

Toda a coletânea trata sobre a incerteza, o acaso e o imprevisível, porém cada livro aborda um ângulo diferente da questão.

GESTÃO DE RISCO

Em A lógica do cisne negro: O impacto do altamente improvável (2007), Taleb diz que não é possível gerenciar o risco, porque simplesmente as crises ocorrem a partir de algo que não está no radar de ninguém. O 11 de setembro, por exemplo, foi um desses “cisnes negros”.

Segundo Taleb e seus seguidores, todo cisne negro irá afetar o mercado financeiro; cabe a cada um estar preparado para os impactos desse evento e trabalhar com estatísticas já conhecidas para evitar prejuízos.

Por isso, ele diz, investidores devem separar a parcela do seu dinheiro que não querem pôr em risco e colocar nos conservadores títulos do governo. O que vai para o risco, pode ser dividido entre outros mercados, mas com a certeza de que tudo poderá ser perdido se um cisne negro aparecer.

“Risk management (gestão de risco) é lixo, pois a tentativa de determinar causa e efeito dos fatos é continuamente obstruída por fenômenos aleatórios”, afirmou Taleb numa entrevista ao jornal Valor Econômico.

Taleb já foi um talentoso investidor de Wall Street, um dos pioneiros em operações com os complexos contratos de derivativos financeiros, negociados nas bolsas de futuros em todo o mundo e sua corretora. Há alguns anos, porém, Nassim Taleb abandonou o dia-a-dia das finanças para se tornar pesquisador.

PRIORIDADE

Ao analisar a situação por um viés racional, é importante possuir uma carteira de investimentos diversificada, ou como diz o ditado: não colocar todos os ovos numa mesma cesta. Dentro dessa diversificação de investimentos, é preciso dar prioridade aos ativos seguros, como a Renda Fixa, o Tesouro Direto e Fundos Moderados. O restante, cerca de 10 a 20%, dependendo do seu perfil de investidor, pode ser aplicados em investimentos de alto risco como ações, visando um lucro maior sem perdas significativas no patrimônio.

Leia mais: Iludidos pelo Acaso: Nassim Taleb explica o que a sorte tem a ver com o sucesso

 

 

Em Economia Comportamental

Recomendadas para você