fbpx

Experiências x bens materiais: estudos divergem sobre qual é melhor

Redação DuMoney 10 de janeiro de 2019 atualizado às 16:34

Experiências ou bens materiais? Cientistas comportamentais já fizeram todo tipo de estudo e a maioria chegou à conclusão de que experiências são melhores. Mas um grupo de professores de marketing mostrou que não é bem assim

menina com carrinho cheio de compras

Pesquisadores contestam estudos que dizem que experiencias são mais satisfatórias do que bens materiais / Shutterstock

 

Já falamos sobre estudos que mostravam que gastar dinheiro com experiências é mais satisfatório para os consumidores do que gastar com bens materiais. Também já exploramos como a percepção de status social altera a satisfação que temos com um ou com outro. Mas outras pesquisas contestaram essas conclusões.

Leonardo Nicolao, Julie R. Irwin (ambos da Universidade do Texas) e Joseph Goodman (da Universidade de Ohio) são três professores de marketing que resolveram explorar mais a fundo a questão. Eles não questionavam exatamente o fato de que as pessoas desfrutam mais as experiências. Exploraram o sentimento que fica se tudo der errado.

No experimento, 190 estudantes imaginaram uma compra material e uma experiência em que tudo foi bem, e outro grupo pensou em duas situações em que tudo deu errado. Cada um também passou por um teste para verificar o quanto valorizava os bens materiais. No geral, experiência e gastos materiais produziram níveis parecidos de satisfação e de frustração. Mas, entre as pessoas mais materialistas, a insatisfação com as experiências ruins foi maior.

LEIA MAIS: Previsões tecnológicas para 2019: mudanças nas arquiteturas de Inteligência Artificial

No teste seguinte, 351 participantes receberam dinheiro e foram orientados a comprar uma experiência ou um objeto. Então, relataram como se sentiam sobre o gasto sete minutos depois, bem como um dia, uma semana e 15 dias mais tarde.

CONCLUSÃO DO ESTUDO

Os pesquisadores concluíram que aproveitamos mais rápido os bens materiais, por isso, as avaliações eram mais intensas no início, caindo abruptamente depois. Quase todos os recursos de uma TV podem ser experimentados na primeira vez em que a ligamos. Depois, acabamos nos acostumando. Positivo ou negativo, o impacto se dilui.

Já nas experiências, as impressões dos participantes eram mais duradouras. Uma viagem ou um show podem ser revividos em vários momentos, com novas sensações positivas ou negativas. Assim, o prazer de uma boa experiência dura bem mais. O mesmo ocorre com o desprazer, se a experiência foi ruim.

Ou seja, gastar com experiências é uma grande aposta, pois se for uma boa experiência a satisfação será maior e mais duradoura do que a satisfação com um objeto. Se for uma experiência ruim a frustração será igualmente maior e mais duradoura do que aquela relacionada a uma compra material.

 

Em Economia Comportamental

Recomendadas para você