fbpx

Como viajar para o exterior poupando apenas um ‘cafezinho’ por dia

Redação DuMoney 24 de julho de 2018 atualizado às 12:06

Abrir mão de pequenas despesas do dia a dia não é fácil. Mas evitar gastos supérfluos pode ajudar na economia para conseguir viajar para fora do país

economia do cafezinho permite viagem para o exterior

Que tal abrir mão do cafezinho na padaria para ir ver o Mickey? / Crédito: Shutterstock

 

Tomar um cafezinho diariamente numa cafeteria é um momento muito apreciado pelos brasileiros. Funciona como uma espécie de recompensa para quem vai enfrentar ou está enfrentando um dia de trabalho árduo.

Mas esse simples prazer cotidiano, que pode não parecer tão caro no momento, responde por uma soma considerável de dinheiro no longo prazo. E se, em vez disso, você guardasse esse dinheiro para uma viagem? Para onde poderia ir?

COMO  ECONOMIZAR NO “CAFEZINHO” PODE TE LEVAR PARA O EXTERIOR?

Nas padarias e cafeterias de São Paulo, o famoso pingado é vendido por aproximadamente R$ 5. Ao fim de 20 dias úteis, lá se foram R$ 100. Se o cafezinho for acompanhado pelo também tradicional pão na chapa, que fica em torno de R$ 3, são mais R$ 60, um total de R$ 160 a menos no fim do mês.

Para quem pensa que esse valor é pequeno, a dica é pensar de forma mais ampla: ao fim de dois anos, são R$ 3.840, valor suficiente para um pacote de viagem de ida e volta do Rio de Janeiro para Orlando, com hospedagem, por seis dias. Que tal abrir mão do cafezinho na padaria para ir ver o Mickey?

LEIA MAIS: Crédito ou débito? Saiba a opção preferida pelos brasileiros

TESOURO DIRETO É ALTERNATIVA PARA INVESTIMENTO

E dá para sonhar ainda mais alto, destaca o consultor financeiro Rafael Cisne. Com uma quantia simples, de R$ 100 mensais, já é possível começar a investir, por exemplo, no Tesouro Direto, um tipo de investimento que oferece bons rendimentos e tem total segurança. O Tesouro Direto é um investimento de renda fixa e funciona como um empréstimo do investidor ao governo, obtendo remuneração em troca.

“É perfeitamente possível economizar grandes quantias no longo prazo, principalmente sob efeito dos juros sobre juros do seu capital. Isso significa que você recebeu um dinheiro extra que não veio da sua mão de obra. Ou seja, é renda passiva, um dinheiro que está trabalhando por você”, declara.

COMO CHEGAR AO SEU PRIMEIRO MILHÃO?

Segundo ele, alguém que economiza R$ 200 por mês desde os 20 anos consegue alcançar 1 milhão de reais, aos 65 anos, não apenas pela quantia economizada em si, mas principalmente pelos juros acumulados no período.

Para quem consegue separar uma quantia maior para investir, Cisne afirma que já é possível variar os modelos de investimento:

“Se a pessoa consegue economizar mil reais por mês, já pode diversificar um pouco mais. O Tesouro Direto e os fundos imobiliários são sempre ótimas possibilidades, incluindo também os fundos multimercado, fundos cambiais e de ações”.

LEIA MAIS: Deixar tudo para depois tem preço alto. Descubra como evitar

“AS PESSOAS NÃO SÃO ENSINADAS A MULTIPLICAR O DINHEIRO QUE RECEBEM”

Abrir mão desses pequenos deleites do dia a dia não é fácil. Cisne afirma que há dois motivos pelos quais as pessoas têm tanta dificuldade em economizar no longo prazo. O primeiro é uma questão cultural, desenvolvida desde a infância. A segunda é uma questão neurológica, que tornou a humanidade imediatista por natureza, com dificuldade de pensar em longo prazo.

“Todo mundo é educado desde criança a se preparar para ter uma boa profissão para ganhar dinheiro. Porém, mesmo aprendendo a ter uma profissão e sabendo ganhar dinheiro, as pessoas não são ensinadas, nem pela família, nem pelas escolas, a gerenciar e multiplicar o dinheiro que recebem”.

A boa notícia é que, segundo o consultor, qualquer pessoa possui a capacidade de “remodelar” o cérebro para combater o imediatismo, aprender a investir e a realizar seus sonhos. São sacrifícios que podem durar meses ou anos, mas que trazem consigo a possibilidade de realizar sonhos de uma vida. Será que você está preparado para topar o desafio?

Em Economia Comportamental

Recomendadas para você